Notícias

Dário Berger defende fim dos privilégios na Previdência

Em reunião da CPI da Previdência, o senador Dário Berger (PMDB-SC) afirmou que a reforma é necessária, mas as mudanças propostas no sistema previdenciário não podem penalizar os mais pobres. Dário lembrou que a situação é preocupante já que a estimativa de vida da população aumentou e o governo prevê um déficit superior aos R$ 200 bilhões em 2018 nas contas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). “A reforma não é questão ideológica, é necessidade. Mas precisamos na reforma encontrar o equilíbrio necessário para fazer justiça sobretudo com aqueles que são menos favorecidos sob pena de ao invés de corrigirmos o problema agravarmos a situação”, explicou Dário. O senador salientou que a previdência social exerce um papel estratégico no desenvolvimento social e econômico do país. Ele alega que é preciso tratar o tema com responsabilidade e sem pensar em privilegiar ninguém. “Ou é uma reforma para todo mundo ou é uma reforma para ninguém. Ela é necessária, mas não voto favorável a reforma se for para prejudicar as pessoas que ganham um salário mínimo para sobreviver, enquanto uma legião de brasileiros é privilegiada desde a época do império até hoje. O país não se democratizou como deveria se democratizar apesar dos avanços que tivemos”, disse Berger. O senador defendeu ainda o fim das aposentadorias milionárias. Na opinião de Dário, para fazer justiça é necessário cobrar mais de quem tem mais. “Os mais pobres financiam a previdência dos mais ricos. Isso é inaceitável. Temos que inverter essa lógica. Os mais ricos precisam contribuir mais em detrimento dos mais pobres”, pontuou.

Share:

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos necessários estarão marcados com *