Balneário Camboriú

Antonio Gabriel Castanheira entrevistado da Folha do Litoral

Em entrevista ao Jornal Folha do Litoral, o Secretário de Segurança de Balneário Camboriú, fez um balanço desses 19 meses da sua gestão. Antonio Gabriel Castanheira, natural da cidade de Curitiba/PR se destaca pela sua atuação e dedicação, com um vasto e invejável currículo, entre cursos e treinamentos. De perfil reservado, gosta de esportes, dedicado e extremamente perfeccionista e focado no seu trabalho, dentro de sua carreira foi treinado a encarar as situações como uma missão, começando e finalizando com excelência. Bacharel em Direito e Investigador de Polícia – formação de policial na Academia de Policia Civil, curso COESP que é o de Operações Especiais da Policia Militar, Instrutor no Ministério da Justiça de padronização de técnicas em Operações Especiais, curso de Antiterror no GEO da Espanha, SWAT, Policia da França, faixa preta terceiro grau no Jiu-jitsu, faixa azul escura no Muay thai, cursos de especialização com explosivos, piloto de embarcações policiais.  Tudo que envolve a parte de operações especiais tem formação e especialização. Trabalhou no TIGRE por 17 anos, grupo de Elite da Policia Civil do Paraná, responsável por resgate de reféns, e o restante de sua carreira trabalhou no grupo de Operação Especial da Narcóticos, atuando em todo o estado do PR.

 

 Folha do Litoral – Como foi assumir essa secretaria com discriminação por parte de alguns?

Gabriel Castanheira – Por ser de Curitiba foi um dos fatores, e o restante foi de um viés político, políticos de oposição, por não ser da cidade ou do estado de SC. Não pelas pessoas de modo geral, pelo contrário, sou muito bem tratado por onde vou, nos bairros as pessoas me abraçam, conversam comigo, tenho uma proximidade da população muito grande. Faço reuniões nos bairros semestrais, lá eu converso com a população mesmo, sinto o carinho e o respeito dessas pessoas, o que não acontece na classe política.

Folha do Litoral – Por ter esse currículo invejável, teve alguma resistência?

Gabriel Castanheira – A forma que aqueles que não queriam que eu estivesse aqui, tentam me tachar do “Forte Burro”, excelente policial,  mas um secretario fraco.  Porque acham que não teria eficiência como Secretário e sim como homem de frente, que não tem relevância alguma e sem fundamento. Eu trabalho com números e estatísticas, e hoje elas mostram o resultado positivo. Faço o meu trabalho, do qual o prefeito Fabrício Oliveira me chamou, e me deu uma missão, eu estou fazendo ela.

Folha do Litoral – Na sua gestão os índices de criminalidade são evidentes, diminuíram  em relação ao ano passado, esse resultado se deve a sua forma de atuação?

Gabriel Castanheira – Acredito que sim.  Não só a minha forma de trabalho, por ser perfeccionista, trabalho com análise de números, estratégias eu não fico fixo em apenas uma, temos uma linha com vertentes. Um ponto positivo, foi tirar as bases fixas e colocar em movimento, rodando. A gente deu a cara da Guarda Municipal de polícia, hoje no Brasil. Nos maiores países do mundo a policia se municipalizou,  no Brasil esta começando agora. Eu tive contato com policias do mundo inteiro e vejo na Guarda Municipal a polícia do futuro, o Estado não tem condições de manter as polícias estaduais; com  efetivo que cada cidade exige, e a Guarda Municipal vem para ajudar a complementar isso, e é positivo para a população.  Não podemos pensar em Instituições e vaidades, em querer deixar o progresso, e o que é o correto, que deu certo em todos os países do mundo. Então eu implementei isso sim,  aqui em Balneário Camboriú, era um pedido do prefeito, ele queria isso, desejava isso, eu peitei isso realmente, e a Guarda  é a Polícia Municipal. Apresenta números relevantes, estamos atento todos os minutos.  Estas reuniões semestrais nos bairros,  é para que eu esteja próximo, entendendo o que acontece em cada bairro,  montando nossas estratégias de acordo com que cada região precisa. Quando a gente assumiu, os índices de 2017 bateram o índice de 2016, da gestão passada com números absurdos. Nós, em uma reunião em janeiro, pensamos, vai ser muito difícil igualar o numero de 2017, e em 2018 já ultrapassamos; já ultrapassamos os números de 2017, não de uma maneira absurda mas superamos os números de 2017.  Isso mostra que no mínimo deveríamos ter respeito por parte de alguns , em dizer a segurança de Balneário Camboriú esta funcionando, tem que melhorar, tem, ainda mais estando no meu comando, sendo eu exigente. Estamos no caminho certo, e vamos continuar trabalhando com números e indicativos, nos movimentando e adequando assim como o crime se movimenta, não podendo estar estáticos.

 

Folha do Litoral – Quais as dificuldades que encontra, pois, está no comando da Guarda Municipal, Patrimonial, Defesa Civil, DECOI e Agentes de Trânsito?

Gabriel Castanheira – Eu tenho uma secretaria com muitas pessoas e classes distintas, isso tudo gera manter a harmonia por serem classes diferentes.  As vezes é comprado equipamento para um, o outro reclama e gera discórdia, movimento por parte de alguns. Preciso estar muito próximo, ajustando, explicando, estando presente, em reuniões periódicas com os Diretores para pontuar e gerir de uma forma objetiva e clara.

Folha do Litoral – O que precisa ser mudado para melhor ainda mais o trabalho da segurança pública?

Gabriel Castanheira – Segurança publica não se faz apenas com as forças policiais, se faz com a população e as outras instituição e quando falo em outras instituições, falo em Ministério Publico e judiciário. Devemos estar organizados para isso. Um exemplo que sempre cito, é a lei das drogas. Ela é uma lei falha, que não se consegue ser efetiva principalmente no que tange ao usuário.  Se o Ministério Publico e as forças de segurança, a população e o judiciário não estiverem todos engajados, entendendo, nós sempre teremos  problemas. Poucos sabem que 40% de nossas ocorrências estão relacionadas às drogas, a gente faz um serviço em cima das drogas muito forte só que ele não aparece, porque pela lei, institucionalizou praticamente o uso, o usuário se colocou na posição defensiva. Entendo para que isso mude, todas as intituições e a população devem estar unidas e principalmente na educação. Um país, um estado uma cidade não se torna mais seguras só  pela ação efetiva das forças de segurança, elas servem como controle, para que a educação consiga trabalhar e a gente consiga formar boas pessoas. Hoje, estamos com um problema gravíssimo, estamos perdendo nossos jovens, adolescentes e nossas crianças para o crime, principalmente para o tráfico de drogas. Eles são cotados, os jovens, na escala do crime para serem o “aviãozinho”, isso é muito serio,  porque são pessoas que estamos perdendo, elas estão entrando no crime e não terá volta, digo e repito, esta na “educação”a mudança desejada. Não existe outra fórmula.

Folha do Litoral – Pontos positivos e negativos como Secretário de Segurança de Balneário Camboriú?

Gabriel Castanheira –  Quando estava na rua, diretamente em confronto na criminalidade acho que não conseguia ajudar tanto, como Secretário consigo colocar minhas estratégias em plano mais macro. Hoje, com a experiência que adquiri, nos meus 23 anos de policia, eu consigo no macro atingir mais a população, ajudar mais no que diz respeito com a segurança. O negativo que me incomoda, é que tudo de ruim que está relacionado com a segurança é culpa da Guarda Municipal, em BC é assim que acontece. Quando temos números positivos na segurança, exemplo que dou, sobre uma pesquisa feita recentemente, Balneário Camboriú esteve no topo das cidades mais seguras do Brasil. Uma pesquisa no ramo imobiliário, mostrou que um dos quesitos principais na hora de se comprar um imóvel é o da segurança; e ela foi muito bem falada, sendo um dos aspectos pelo qual as pessoas procuram Balneário Camboriú, aí esse título não nos é dado, isso nos incomoda. Mas, incomoda de uma forma pontual, porque é apenas uma classe política, a qual chamo de medíocre e não da população no geral. A forma que se faz política nesse país é equivocada, não é porque sou oposição que eu tenho que atacar boas ações. Existem alguns políticos que se colocam acima do bem e do mal criticando ações positivas, porque na sua visão, está atacando e defendendo interesse político partidário, longe, e está muito longe de ser um bem comum, extremamente egoísta.

A mensagem que deixo, a qual,  não consegui terminar na solenidade de promoção da Guarda Municipal, é que: parabenizava os que estavam sendo promovidos e que estava em luto interno.  Por que, pessoas que contribuíram comigo desde o inicio de minha gestão, são incansáveis e motivados.  Por mais que eles apanhem e enfrentem algumas situações difíceis, eles estão sempre ao meu lado, do lado da Guarda Municipal de Balneário Camboriú ,sempre no trabalho e são honrados.  Na hora que é feita uma promoção, onde você vai dar uma ascensão e uma justificativa para a família dessas pessoas, o porquê de tanto empenho, eles deixam muitas vezes suas famílias para se dedicar ao trabalho. Chegando nessa hora, eu não pude promover muitas pessoas ali, com uma qualidade excepcional no profissional. Então, meu sentimento foi, de como seu eu tivesse levado os meus companheiros para “guerra”, e os abandonado.  Os meus soldados mais fiéis. “Digo, não abandonei. Vocês irão escutar o barulho do helicóptero voltando, e vou vir resgatar cada um de vocês, não vou deixá-los para trás, porque eu nunca abandono os meus”.

 Reportagem – Lierge Coradini

Share:

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos necessários estarão marcados com *