Política

Quer coisa melhor do que ser político no Brasil?

No Brasil ser político é uma festa. De fato, as mordomias são fartas e o dinheiro jorra como água para bancar a casta política. Por outro lado,  as luzes da ribalta do poder estão sempre  prontas para iluminar e desobstruir quaisquer dificuldades  pessoais dos políticos  e de seus de amigos. Quer  coisa  melhor do que ser político no Brasil?

Certa feita, o jornal espanhol El País disse que ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu. É como se acertasse na loteria. Pois bem, quem entra para a política esquece as  suas profissões porque  são tantas as vantagens auferidas que não vale apena retornar às lides profissionais.

Portanto,  a partir de uma assentada em cadeira no Legislativo ou no Executivo, é atraída,  para essa vida política “espinhosa e cansativa”, toda a corriola parental, ávida em tirar proveito da coisa pública.

Está na hora de o eleitor brecar a dinastia política, cujo único objetivo é desfrutar as glórias do poder e o cabide de emprego bem remunerado.

Também está na hora de o eleitor impedir a reeleição. Política não é profissão.  A vida política precisa de constante renovação, de oxigênio novo. Ninguém é insubstituível.

E aqueles políticos que se consideravam insubstituíveis, hoje, muitos jazem nos cemitérios ou estão de pijamas  em casa, e o país não parou nem sentiu a falta deles.

A reeleição é um retrocesso à dinâmica renovadora política. Representa a mesmice sendo ovacionada por incautos eleitores, conduzidos pelo imoral instituto do voto obrigatório. Tanto a reeleição quanto o voto obrigatório,  responsáveis pelo baixo nível do quadro politico nacional, deveriam ser revogados.

Assim, quando eu vejo a reeleição de um político com tristeza assisto à continuação da velha prática política dominando o país e impedindo o seu desenvolvimento.

Por fim, (1) não elejam candidatos com mandatos até 2023 ( senadores  e vereadores), pois estes devem respeitar o cumprimento integral de mandatos; (2) diga não à eleição de políticos cassados, por exemplo, Dilma Rousseff (PT-MG); (3) elejam somente candidatos  com escolaridade de grau superior, pois o Parlamento precisa  de gente preparada para fazer as leis do país e fiscalizar o Executivo; (4) enfim, é preciso melhorar o quadro político nacional, elegendo candidatos competentes, honestos, que tenham ficha limpa e não estejam respondendo a processo na Justiça.

Júlio César Cardoso

Bacharel em Direito e servidor federal aposentado

Balneário Camboriú-SC

 

Share:

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos necessários estarão marcados com *