Dicas

Evento gratuito no Sesc Itajaí debate a Violência Obstétrica

Três fotógrafas de parto que atuam na região de Itajaí – Ellen Mendes, Michele Schovinder e Nina Bertolli – se reuniram para promover um importante debate destinado à gestantes, famílias e profissionais da saúde: o combate à Violência Obstétrica.

O evento gratuito que acontece nesta quarta-feira, dia 26/06, às 18h30 no Sesc de Itajaí, vai trazer profissionais de peso que atuam na humanização do nascimento aqui no Vale. Confira os temas que cada um vai abordar na “Mesa Redonda Violência Obstétrica – tudo que você sempre quis saber”:

– “Origem do termo Violência Obstétrica, conquistas legislativas, discussões e o papel do ministério público” com Daniele Manfrini – Assistente Social do Ministério Público de SC e Doutora Interdisciplinar em Ciências Humanas;

– “A articulação de Políticas Públicas contra a violência obstétrica e a Rede Cegonha no Brasil” com Luciane D´Ávila – Enfermeira Obstétrica e Psicanalista, Coordenadora da Comissão de Parto Domiciliar da ABENFO (Associação Brasileira de Obstetrizes e Enfermeiros Obstetras) e é Coordenadora da Saúde da Mulher de Itajaí;

– “Por que o profissional não se percebe violento e por que o termo causa tanta controvérsia” com Dr. Bruno Raimann – Médico Ginecologista e Obstetra;

– “Violência obstétrica no aborto: onde precisamos melhorar?” com Dra. Ana Gabriela Cardoso – Enfermeira e Médica ginecologista e Obstetra;

– “A importância da Doula no combate à violência obstétrica e na mudança de postura das gestantes” com Rachel da Costa – Fonoaudióloga, Doula e Consultora de Aleitamento Materno

O poder das imagens

As fotógrafas que idealizaram o evento ao lado do grupo de assistência perinatal “Gesta”, acreditam que as imagens do nascimento tem papel importante na construção da um novo olhar para o nascimento. “Precisamos ampliar o debate, gerar a reflexão, levar informação e conhecimento de causa às mulheres, e temos consciência que a fotografia também tem esse poder”, acredita a fotógrafa e jornalista Nina Bertolli.

Durante o evento, também acontece a exposição de fotografias de parto “Metamorfose – quando nasce uma mãe”, assinada pelas fotógrafas Ellen, Michele e Nina. Elas vão mediar o bate papo, e também abordar os seguintes temas:

– “O papel do fotógrafo na inibição da violência obstétrica”, com Ellen Mendes

– “Como a fotografia pode ajudar a superar traumas de parto”, com Nina Bertolli

– “A ressignificação da mulher através da fotografia”, com Michele Schovinder

Governo tentou banir termo Violência Obstétrica

No mês passado, o tema “Violência Obstétrica” foi alvo do governo federal, que tentou banir o uso da expressão. Na época, o Ministério da Saúde afirmou que considerava o termo inadequado. Porém os números continuam apontando que a violência obstétrica é uma realidade em muitas maternidades brasileiras, por isso há muito ainda o que se debater. Em 2019, a Central de Atendimento à Mulher – que recebe denúncias pelo telefone 180 – já recebeu 260 casos de violência obstétrica até maio deste ano, enquanto em 2018 no mesmo período havia recebido apenas 26 denúncias.

A tentativa do governo de censurar o uso da expressão Violência Obstétrica e as discussões sobre as polêmicas que o termo gera, ganhou uma recomendação do Ministério Público Federal, para que o “Ministério da Saúde atue contra a violência obstétrica em vez de proibir o uso do termo”. Diante disso, ficou reconhecido o direito legítimo das mulheres de usar o termo violência obstétrica para representar experiências vivenciadas durante o parto e nascimento que configurem maus tratos, desrespeito e abusos à parturiente.

Marina Bertolli Fontana

Share:

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos necessários estarão marcados com *