Política

TCE e Secretaria da Infraestrutura divergem sobre número de obras paradas

Respostas a pedidos de informações sobre obras paradas mostraram divergência entre o Tribunal de Contas do Estado (TCE/SC) e a Secretaria de Estado da Infraestrutura. O primeiro relatou 43 obras paradas e a segunda, cinco, circunstância que repercutiu na sessão de quarta-feira (25) da Assembleia Legislativa.

“O TCE apresentou levantamento de 65 obras paradas no estado, dentre elas 43 do estado, isso fez que nossa equipe fizesse pedido de informação ao TCE que encaminhou a relação das obras. Já o pedido de informação ao governo a resposta foi cinco, este é o número de obras que a secretaria respondeu”, informou João Amin (PP).

Segundo o representante de Florianópolis, as obras paradas indicadas pela Infraestrutura são a pavimentação da ligação entre Ouro e Jaborá; recuperação da rodovia da Glória à Costa do Encanto; ligação entre Celso Ramos e Anita Garibaldi; recuperação da ponte na rodovia Nereu Ramos, em Jacinto Machado; e o lote 19 da ligação entre Araquari e Balneário Barra do Sul.

“Quem está falando a verdade? Quem está errando? Quem está mentindo?”, questionou João.

Milton Hobus concordou com o colega e perguntou pela ligação entre Rio do Sul e Presidente Getúlio.

“Sabemos que o governo se elegeu sem um plano de governo, temos que compreender, mas um dos compromissos era de que as obras iniciadas seriam concluídas”, lembrou Hobus, que lamentou a não inclusão pela secretaria da ligação entre Rio do Sul e Presidente Getúlio, “que falta só um pedacinho”.

Como proceder na escola
Ana Caroline Campagnolo (PSL) comemorou a edição do Ato de Ofício de 76/2019, do Ministério da Educação, que dispõe sobre como proceder nas escolas acerca do bullying e perseguição ideológica, por exemplo.

“Fui vítima de perseguição ideológica dentro de um ambiente público de ensino, felizmente era capaz de perceber que violência contra mim era praticada. Aprovada em todas as disciplinas, estágio probatório, proficiência, fui reprovada na banca, tive de processar a professora orientadora que registrou que estava abandonando a orientação por causa de um ponto de vista diferente expresso no espaço privado, fora da universidade”, descreveu a deputada.

Orçamento da educação sem inativos
Maurício Eskudlark (PL) falou sobre o projeto do governo de reformar as escolas em 2020 e revelou que orçamento para o próximo ano não terá os inativos no computo dos 25% destinados à educação.

“Ano que vem teremos todas as escolas que necessitarem sofrendo algum tipo de melhoria, o governo vai mandar o Orçamento sexta-feira, tirou os aposentados do cálculo da educação, o gasto não vai ser computado”, anunciou o líder do governo.

Milton Hobus, por outro lado, criticou o governo por não iniciar as reformas este ano, haja vista que tem recursos.

“O mais triste é que temos dinheiro sobrando, o estado não vai conseguir cumprir os 25% obrigatórios, a receita subiu muito e o percentual pesa, o Fundeb cresceu quase 14%, temos dinheiro sobrando e não temos agilidade para reformar escolas.”

Atuação da polícia
Mauricio Eskudlark defendeu a atuação da polícia e avaliou como fato lamentável o assassinato de uma criança no Rio de Janeiro.

“Fato lamentável da menina Ágatha, mas já foram 100 mortes de policiais e parece que não têm esposas, famílias, porque a morte é tratada com certo descaso, mas o policial quando sai para cumprir sua missão sai para não usar da força, nem para usar uma arma. A sociedade quer que os policiais recuem, mas aí vão descer o morro, entrar no restaurante, no apartamento. Ou valorizamos a segurança pública ou vamos para o caos social”, alertou o ex-chefe da Polícia Civil.

“Algum familiar do policial morto em serviço foi visitado pelo pessoal dos direitos humanos? Ainda vai morrer muita gente boa”, lamentou Sargento Lima (PSL).

“Em 2018 tivemos 84 mortes de policiais, infelizmente 106 se suicidaram no ano de 2018, por isso a necessidade de entendermos mais sobre o tema que não está perto de terminar”, afirmou Ismael dos Santos (PSD), que convidou a comunidade e os pares para seminários sobre prevenção ao suicídio que serão realizados em Balneário Camboriú, Joaçaba e Criciúma.

Aeroporto Hercílio Luz
Milton Hobus comemorou a iminente inauguração do novo aeroporto Hercílio Luz, em Florianópolis.

“Era demasiadamente acanhado, agora vamos nos orgulhar de estar chegando ou voltando pelo aeroporto de Florianópolis. Nós queremos e sugerimos ao secretário da Fazenda para transformar Florianópolis em porto seco, muitas cargas poderão ser potencializadas pelo aeroporto, no primeiro semestre foram 200 toneladas, se tivéssemos uma base aduaneira seria um adendo importante”, garantiu Hobus.

Faltam vacinas
O presidente da Comissão de Saúde, Neodi Saretta (PT), denunciou a falta de vacinas na rede pública e cobrou do governo federal solução para o problema.

“Em Concórdia falta vacina pentavalente, aplicada nos primeiros seis meses de vida e que está em falta em todo país, dizem que houve problemas com as doses importadas de um laboratório indiano”, avisou Saretta, que também relatou a falta da tríplice bacteriana.

Serra Dona Francisca
Fernando Krelling (MDB) anunciou que o governo do estado fará melhorias na Serra Dona Francisca.

“São muitas vezes fazendo este apelo da Serra Dona Francisca, infelizmente apelidada de serra da morte, lá tivemos o maior acidente rodoviário ocorrido em Santa Catarina. Entrei em contato várias vezes e hoje recebi retorno: haverá no mínimo atenção básica, roçada, iluminação, sinalização”, prometeu o representante de Joinville.

“A Serra Dona Francisca liga a maior cidade do estado ao Planalto Norte e está ali no abandono, governo após governo, um abandono, simplesmente isso, placas no mato, uma arapuca de matar catarinenses”, afirmou Sargento Lima, acrescentando que está aguardando providências do Executivo.

Heróis da vida real
Coronel Mocellin (PSL) homenageou o Corpo de Bombeiros Militar (CBM), que amanhã, dia 26 de setembro, comemora 93 anos de fundação.

“São os heróis da vida real, não possuem superpoderes, mas a coragem para salvar vidas, estão sempre dispostos a arriscar a própria vida para salvar o outro. Tenho muitos motivos para fazer esta homenagem aos colegas, o CBM é a instituição mais confiável no estado, acima da média nacional de 86%, em Santa Catarina a média é de 97% de confiança”, revelou o ex-comandante do CBM.

Segundo Mocellin, autor de uma moção de aplauso à corporação, em 2018 os bombeiros apagaram 9.220 incêndios e realizaram 125 mil atendimentos pré-hospitalar, entre outras ações.

O ex-comandante elogiou o chamamento de 292 excedentes do último concurso, informou que em breve iniciará o curso de formação desses novos bombeiros e não esqueceu da reposição salarial.

Vários deputados de todas as bancadas se revezaram no microfone de apartes para elogiar a ação dos Bombeiros catarinenses nas mais delicadas situações de socorro, busca e salvamento.

Sala Luiz Henrique da Silveira
Valdir Cobalchini (MDB) repercutiu a inauguração da denominação da sala do cafezinho do Senado Federal, que agora se chama Luiz Henrique da Silveira.

“Ontem estive em Brasília e participei da inauguração da denominação da sala do cafezinho Luiz Henrique da Silveira, que foi prefeito três vezes de Joinville, deputado federal cinco vezes, duas vezes governador, deputado estadual. Um momento emocionante, um homem íntegro, à frente do deu tempo, inovador, inteligente, ousado, corajoso, atributos necessários para um líder”, discursou Cobalchini.

“Não pude estar em Brasília, mas confesso que queria muito estar lá na homenagem ao nosso companheiro Luiz Henrique, talvez há cinco anos se o Senado tivesse pensado bem ele teria sido presidente daquela Casa, aposto que muitos se arrependeram”, pontuou Moacir Sopelsa (MDB).

Vítor Santos
AGÊNCIA ALV

Share:

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos necessários estarão marcados com *