Internacional

Máscaras de proteção viram prioridade para fábricas chinesas

A demanda de máscaras faciais de proteção se multiplica e, com isso, as fábricas chinesas que produzem iPhones, roupa, automóveis e até fraldas para bebês mudam sua rotina para fabricá-las e contribuir para o esforço de conter a epidemia.

A New Yifa fabrica produtos de higiene, como lenços umedecidos, guardanapos, ou lenços de papel. E, em apenas dois dias, conseguiu converter a cadeia produtiva de uma de suas plantas na província de Fujian, no leste do país. O objetivo: fabricar máscaras protetoras de papel.

Imediatamente, este material é enviado para o pessoal médico que precisa delas para evitar o contágio dos pacientes já infectados por COVID-19.

“Hoje, todos os nossos funcionários trabalham nas máscaras”, disse por telefone à AFP o vice-presidente do grupo, Shen Shengyuan, acrescentando que a capacidade de produção chega a 600.000 unidades por dia.

Agora, o grupo planeja converter para a produção de máscaras sua unidade dedicada às fraldas.

Tudo isso tem um custo, porém. Para poder se concentrar nas máscaras, a New Yifa teve de adiar um pedido da ordem de 5,5 milhões de euros.

– Grave escassez –

Segundo o último balanço, divulgado nesta quinta-feira (13), a pneumonia pelo novo coronavírus infectou cerca de 60.000 pessoas na China. O número de óbitos chega a 1.350.

As autoridades chinesas admitiram que o país precisa desse equipamento de proteção urgentemente, em particular na província central de Hubei, foco da epidemia, onde médicos e enfermeiras enfrentam sua grande escassez.

Trabalhando em tempo integral, as fábricas chinesas podem produzir cerca de 20 milhões de máscaras por dia.

Diante da atual emergência, na terça-feira, o ritmo de produção chegou a 94% de sua capacidade, apontou Xia Nong, funcionário da Agência Nacional de Planejamento Econômico (NDRC).

Nesta quinta, convocou as empresas que ainda não alcançaram este nível a que o façam “o quanto antes”.

Além da New Yifa, empresas de outros setores também estão se dedicando a sua fabricação.

– Smartphones e petróleo –

O grupo taiwanês Foxconn, que monta produtos eletrônicos para o gigante americano Apple, como iPhones, começou a produzir máscaras em sua fábrica de Shenzhen, sul da China.

Meta: despachar dois milhões de máscaras por dia até o fim de fevereiro. Serão destinadas aos trabalhadores do grupo, mas também fornecerão para fora.

O fabricante de carros elétricos BYD disse à AFP que espera produzir cinco milhões de máscaras e 50.000 garrafas de desinfetante por dia, também até o final do mês.

Sua produção em larga escala deve começar na segunda-feira. As máscaras serão enviadas, principalmente, para hospitais e para regiões mais afetadas.

Além disso, 14 empresas têxteis de Ningbo (província de Zhejiang, leste) desejam produzir um milhão de máscaras em 20 dias, segundo a agência de notícias Xinhua.

Uma empresa mista do grupo automotivo americano General Motors na China também participa desta mobilização. A Sinopec, gigante chinês do petróleo, anunciou que prevê fabricar mais de um milhão de máscaras por dia antes de 10 de março, graças a 11 novas cadeias de produção.

Foto: Enfermeiras com máscaras médicas de proteção em hospital de Xangai, em 13 de fevereiro de 2020.

AFP / NOEL CELIS

Share:

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos necessários estarão marcados com *