“Não há caminho para a Paz, a Paz é o caminho.”
Gandhi

Pensadores, sábios, tem demonstrado que uma pedra angular segura todo um edifício, e há uma teoria Cristã que diz que para se alcançar o equilíbrio, necessitamos de duas asas, a do amor e a da sabedoria, que podem nos trazer a felicidade e nos levar aos céus.

Há muitos ensinamentos básicos do Cristo, que podem demonstrar quem é mesmo Cristão, na verdadeira acepção da palavra. E basta que se siga um só, para que se possa dizer Cristão, mas precisamos seguir os ensinamentos do Cristo! Ou não?

Na questão do Amor, o Cristo nos deixou uma tríade, sem nenhuma sombra de dúvida: Amar a Deus sobre todas as coisas, e Amar ao Próximo, e Amar a Si mesmo. E Paulo: “… o amor cobre uma multidão de pecados…” .

Sobre a Sabedoria, Cristo foi categórico em dizer: “Conhecereis a verdade e a verdade os libertara.” Mas tem-se usado isso aos quatro cantos e ventos, sem entrar na sua essência. Sabedoria no entender de alguns confiáveis sábios Cristãos, é a aplicação do Conhecimento com uma nova tríade do Conhecimento; conhece-te a ti mesmo, conhece o próximo e conhece a verdade, tudo  no sentido de se melhorar,  melhorar o mundo e a melhorar a humanidade.

E ademais se torna necessário um Cristianismo alicerçado em uma Fé que sabe, e não que apenas crê, pois “Fé inabalável é aquela que encara a razão em todas as épocas da humanidade.”

Mas como a posse da verdade por si só não basta, é preciso usar o conhecimento para amadurecer espiritualmente. E hoje o que mais se vê desde Harari até o Padre Fábio, é falar em “espiritualizar-se” a necessidade de mais espiritualidade.

E é verdade, olha ela aí de novo, mas como buscarmos a espiritualidade, sem nos humanizarmos, sem nos cristianizarmos. Sem tentarmos nos melhorar e melhorar a humanidade? Quando sabemos que a grande finalidade dos homens na Terra, e em sua Inter existência, corpo-espirito, é se melhorar!

Gandhi deixou-nos duas grandes lições, bem Cristãs: Uma de quê: se 10% dos cristãos do mundo  conhecessem e praticassem  o “Sermão da Montanha” a humanidade e o mundo estaria bem melhor!, a outra: “Não há caminho para a Paz, a Paz é o caminho”.

Após quatro ou cinco anos sem escrever, de muito voto de silêncio forçado, mas necessário e até salutar, diante do quadro dos problemas afligentes do Brasil e do Mundo, como dizem os destinos, e dizia o grande e sábio amigo o Sapo, me nego a comentar nossa crise institucional.

Crise que está alicerçada na falta dos caminhos de paz, amor,fé e  esperança! Que vem estimulando disputas acirradas de falta de verdade, dignidade e decência. E seguem-se por caminhos errados, equivocados, que não levam a lugar algum.

Nílton Góes

                                                    

Share:

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos necessários estarão marcados com *