Perplexidade

Tem coisas que nos deixam perplexos, mas nunca angustiados ou desanimados. Uma perplexidade é a posição tomada por setores do estado, encampados parece que por todos os 40 deputados, e dizem até pelo presidente do legislativo. Da necessidade de “Impeachment”, de novo do governador Carlos Moisés.

CPI Natimorta

Fica meio que claro que os que se arvoram para tal são mais revanchistas, do que tem mesmo interesse nas apurações dos casos. Criaram uma CPI, natimorta, que precisa das apurações do Ministério Publico e Policia Civil, quiça até da Federal, recursos do governo federal envolvidos, para ter dados e objeto.

Centrão de cá

Então é chover no molhado, ou aproveitar, ao estilo centrão de lá, fazendo o de cá, para negócios escusos e inconfessáveis. Aparentemente o mais provável, como aconteceu quando dos “Impeachment” do então prefeito José Fritsch em Chapecó e o de Paulo Afonso, quando entre as negociatas teve a de pequenas igrejas e grandes negócios. Nas duas oportunidades sabe-se que foram dois processos da politicagem revanchista.

Impressa

A imprensa as vezes aumenta, mas dificilmente  inventa. Se extrapola, e até erra mesmo. O noticiário do caso apontou corretamente o fato, a irregularidade que realmente aconteceu, em princípio uma lambança dentro da administração pública, alguns desdobramentos mostram a possibilidade de falhas de conduta moral de alguns  dos envolvidos, o que esta sendo apurado pelo Ministério Publico Estadual, pelo DEIC, Tribunal de Contados do Estado, etc… E de tais investigações é que se pode extrair fato real contra o Governador.

Nada menciona Carlos Moisés

E ao que tudo indica, nos dizeres do chefe do Ministério Público catarinense e do DEIC, até aqui nada aponta contra o governador  especificamente. Então os senhores deputados, e alguns juristas precipitados, precisam ter alguma moderação para o caso, com respeito as pessoas, que até prova em contrário são honestas e honradas.

Positivo

Interessante a posição de um dos membros da Natimorta CPI, pizza que nem a massa consegue fazer a 80 mãos, do decano deputado Moacir Sopelsa, MDB, de que é preciso critério na análise dos fatos sem precipitações, mero revanchismo politico e principalmente  julgamentos antecipados. Sopelsa foi excelente prefeito de Concórdia, e viveu no governo do PMDB o “Impeachment” de Paulo Afonso. Tem sobriedade, seriedade e juízo.

Última

Centrão emplacou diretor no DNOCS, cargo indicado pelo PP, por seu líder na câmara  Arthur Lira(PP) para o Avante, a pedido do Planalto.  Como por lá tem muito fio desencapado já deu curto-circuito, quem indicou o diretor foi preso final de semana em uma operação da polícia federal. Dizem que o PP mira no FNDE, educação, orçamento gigantesco. E viva o PP!

E dizem que é grande a expectativa e até torcida mesmo pela mudança da superintendência da polícia federal de SC, e não é só pelas esquecidas “Chabu” e “Alcatraz” não tem mais gente ansiosa!

Share:

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos necessários estarão marcados com *