Itajaí

Centésima manobra especial com mega navio é realizada na área da Nova Bacia de Evolução

Nesta manhã de quinta-feira, 13, foi realizado na área da Nova Bacia de Evolução do Complexo Portuário de Itajaí e Navegantes, a centésima (100ª) manobra com navios de até 350 metros de comprimento e 48,50 metros de largura.

O navio de nome SKYROS, pertence ao Armador LIBRA (bandeira da Libéria), possui 300 metros de comprimento por 48,20 metros de largura (boca).

A embarcação partiu do Porto de Santos, litoral de São Paulo (SP), e atracou hoje pela manhã às 10:00 no berço 03 da Portonave (Terminal de Navegantes). Sua previsão de desatracação está programada para às 19 horas do mesmo dia, e seguirá seu trajeto marítimo com destino ao Porto de Buenos Aires, na Argentina.

Desde o dia 16 de janeiro, dia em que aconteceu o primeiro teste de manobra especial na área da Nova Bacia de Evolução, numa grande operação, o navio “Valor” que pertence ao Armador Evergreen (bandeira de Malta), e, que possui 300 metros de comprimento por 48,3 metros de largura (boca), abriu um novo ciclo histórico para as operações de cargas no porto de Itajaí e seu Complexo Portuário num todo.

Numa grande união de forças mobilizadas pela Superintendência do Porto de Itajaí (Autoridade Portuária), em conjunto com a Autoridade Marítima (Delegacia da Capitania dos Portos de Itajaí/(Marinha), Praticagem, Terminais Portuários (APM Terminals e PORTONAVE), e empresas de rebocadores, a manobra entrou para a história e desde então semanalmente vem ocorrendo operações com giros de navios com até 350 metros de comprimento, realizando com giros de entradas e saídas em frente ao molhe da Marina Itajaí, na Baía Afonso Wippel (Saco da Fazenda), local da nova Bacia.

Todos os navios programados para realizarem suas manobras de giro na área da nova Bacia de Evolução, ao entrarem ou ao saírem pelo canal de acesso do complexo portuário, são rebocados e em seguida realizam o giro de 180º, e, que posteriormente seguem rebocados de ré até a área da bacia, ou até um dos berços de atracação dos terminais da margem direita (APM TERMINALS/CAIS PÚBLICO), ou margem esquerda do rio (PORTONAVE/Terminal Portuário de Navegantes).

O Superintendente do Porto de Itajaí, Engº Marcelo Werner Salles, vem acompanhando desde o início das manobras e nesta oportunidade em que o número de giros chega a cem operações, comemora pela realização do Complexo Portuário de Itajaí e Navegantes em estar recebendo navios de grande porte:

“Para nós este momento é emblemático e ao mesmo tempo um marco histórico, além de estarmos recebendo a centésima manobra na área da Nova Bacia de Evolução, também pelo ineditismo na América do Sul, de fazer manobras a ré, onde a embarcação fica sem máquinas ligadas e os rebocadores efetivamente o conduzem até a área da Bacia ou aos terminais. Esses tipos de manobras já são realizados em vários portos da Europa, e desta vez, desde janeiro iniciamos com o empenho de muitos. Estamos concretizando essas operações em nossa casa, em nosso complexo, e, em nosso país pela primeira vez na história da atividade portuária brasileira. Essa manobra faz parte de um conjunto de ações que estamos fazendo para fazer com que a infraestrutura do complexo portuário de Itajaí e de Navegantes possa atingir e atender os navios no futuro denominados mega ships, navios com até 366 metros de comprimento”, destaca Salles.

Todas as manobras de giros de navios são programadas para dar toda a segurança de navegação. De imediato, o canal de acesso ao Complexo Portuário de Itajaí e Navegantes fica interditado e toda a manobra desde sua desatracação até o giro, ou vice-versa, pode durar até duas horas de operação. Ao passar pelo ferry boat, as travessias são liberadas e todas as movimentações de trajeto pela balsa entre Itajaí e Navegantes ocorrem de forma moderada. Tanto na área da Marina Itajaí e frota pesqueira que utiliza o rio Itajaí Açú para navegação, também retornam ao normal com suas atividades.

Inspetores e seguranças da Guarda Portuária sempre acompanham o trajeto das embarcações em pelo menos duas ou três embarcações (lanchas), seguindo uma na frente (proa) e a outra atrás (popa), para dar total segurança até o momento da atracação ou desatracação. Em caso de mau tempo, ou seja, se as condições climáticas não estiverem favoráveis para essa atividade, todas as manobras seguem um protocolo oficial de cancelamento da operação.

O Complexo Portuário de Itajaí e Navegantes é responsável por 5% da balança comercial do país e representa 70% da balança comercial do Estado de Santa Catarina, destacando-se ainda por muitos anos como o  maior movimentador de contêineres do país. Todas essas estatísticas são verdadeiras e contribuem para o sucesso junto as exportações e importações no mercado internacional.

“A Nova Bacia de Evolução já é uma realidade para a atividade portuária do nosso complexo. As classes dos trabalhadores portuários aguardavam ansiosos por estas operações, pois agora temos como acreditar no potencial que o porto e demais terminais a montante, serão beneficiados e com isso incrementará mais ainda a economia do município de Itajaí e de Santa Catarina”, pontua o Prefeito de Itajaí, Volnei Morastoni.

Inicialmente para as manobras experimentais na Bacia de Evolução, foram programados navios (embarcações), que já operam no complexo, e que sucessivamente estão sendo substituídos por navios de porte maior.

“Nós ficamos felizes como Praticagem, e também decisivos quanto ao local tomado para a realização das manobras. Até o momento todas as operações de manobras até foram realizadas sem intercorrências, mostrando-se que o estudo foi de fato adequado, as simulações foram executadas, espelharam muito a realidade e a experiencia dos práticos da Praticagem de Itajaí, que também contribuíram para que nós tivéssemos esse sucesso. Gostaria de deixar registrado os parabéns a todos que participaram e participam dessa nossa atividade pelo feito alcançado”, destacou Wallace Siqueira Bezerra – Presidente Praticagem.

A Superintendência do Porto de Itajaí informa com regularidade através do setor de operações do porto, que todas as manobras especiais realizadas com navios entre 306 e 350 metros de comprimento,  são totalmente acompanhadas e monitoradas pela Autoridade Portuária, sob a coordenação da Diretoria de Operações Logísticas (DILOG), Coordenação de Operações e Inteligência da Fiscalização (COINT), Coordenadoria Geral de Sistemas de Segurança Portuária (COSEG), Delegacia da Capitania dos Portos de Itajaí (Marinha), Praticagem, Terminais Portuários (APMT e PORTONAVE), e empresas de rebocadores.

Para Heder Cassiano Moritz, Diretor Geral de Operações Logísticas da Superintendência do Porto de Itajaí, dedicação e empenho não faltaram por parte de todos que atuam na atividade portuária em fazer com que as manobras pudessem ser realizadas com segurança, estudos técnicos, planejamento, treinamentos, simulações, entre outras frentes de trabalho, atestando que a nova Bacia de Evolução seria viável para o Complexo Portuário ter a oportunidade de receber navios dessa classe, e, com isso também torná-lo competitivo, diante do cenário mercadológico em que se encontra:

“Fico extremamente feliz com o centésimo giro, pois já representa uma questão consolidada, totalmente real, tornando-se um enorme feito e de forma agora habitual, nos dando a capacidade para atender grandes navios de até 350 metros, e, com isso, possibilitando uma flexibilidade operacional para o nosso dia-a-dia, facilitando a nossa programação de atividade de entradas e saídas de navios. Estávamos a muito tempo defasados quanto as limitações de manobras na Bacia 01 (em frente ao porto de Itajaí na margem direita do rio). Sob o ponto de vista da Autoridade Portuária, hoje temos essa flexibilidade, ou seja, se o armador vai fazer ou não vai fazer o giro na área da nova Bacia (02), é uma questão de logística do mesmo, e sendo assim continuamos exercendo a nossa função de Autoridade Portuária para estabelecer exatamente a utilização plena dessa nova Bacia de Evolução que muitos não acreditavam que iria se tornar uma realidade e hoje está ai, e agora estamos comemorando com muito orgulho e satisfação esse centésimo giro”, comemora Heder.

Nos dias 16 e 17 de junho de 2020, o Complexo Portuário de Itajaí e Navegantes foi contemplado com a ilustre visita do navio APL PARIS. Com 347,40 metros de comprimento e 45,27 metros de boca (largura), a embarcação pertence ao Armador CMA/CGM e tem capacidade para transportar até 10.789 TEUs (contêineres de 20 pés). Até os dias atuais, é o maior navio que já navegou pela costa brasileira, e também pela América do Sul. Neste dia, uma grande operação com manobra especial de giro ocorreu na área da Nova Bacia de Evolução, evidenciando de fato o quanto estas operações já se tornaram importantes e habituais para a atividade portuária local, priorizando acima de tudo a eficiência pelos trabalhos operacionais de entradas e saídas de navios:

“Chegar ao número de 100 manobras de giro na área da Nova Bacia de Evolução é muito representativo para nós. Uma obra que foi tão lutada, sendo fruto de uma imensa conquista para todo o povo de Itajaí. É muito gratificante para nós principalmente no nosso trabalho diário, pois a coordenação de tráfego das embarcações é uma atribuição da Autoridade Portuária, cuja competência é de toda a equipe de Operações (COINT), e, durante anos e anos, vínhamos batalhando porque as restrições eram grandes quanto ao giro de navios na atual bacia 01 (em frente ao porto de Itajaí), e, agora com a implantação da nova Bacia (em frente ao Molhe da Marina Itajaí), não temos mais problemas por interferência de programação de embarcações ou atrasos de operações nos terminais ou na chegada de navios, nos dando um folego operacional nas devidas atividades que nos competem e assim um sequenciamento muito mais organizado das manobras”, destaca o Coordenador de Operações e Inteligência da Fiscalização da Superintendência do Porto de Itajaí, Ricardo de Amorim.

“A operação do centésimo navio na nova Bacia de Evolução reforça a relevância do nosso complexo portuário num contexto de mercado com ampla competição. A atividade logística é definida pela essência coletiva e sob essa perspectiva precisamos nos manter focados, desenvolver nossas competências e buscar alternativas para finalizar a segunda etapa dessa importante estrutura. Integrados e reforçando a estratégia competitiva seguiremos firmes nessa retomada da atividade econômica e dos negócios em nossa região”, Osmari de Castilho Ribas, Diretor Superintendente Administrativo da Portonave.

2ª etapa das obras da Bacia de Evolução (navios de 366 a 400 metros de comprimento):

De acordo com o plano de ações estruturantes do complexo portuário de Itajaí e Navegantes, no que compreende sua readequação do acesso aquaviário, o valor total investido nesta primeira etapa da obra foi de R$ 174,6 milhões, sendo R$ 129 milhões oriundos do Governo do Estado de Santa Catarina através da Secretaria de Estado da Infraestrutura, R$ 40,1 milhões da do Porto de Itajaí e R$ 5,5 milhões da Portonave (Porto de Navegantes).

A nova Bacia de Evolução, nesta primeira etapa, contempla 500 metros de diâmetro e profundidade de 14,00 metros. A primeira manobra especial foi realizada em 16 de janeiro e houve ampla divulgação pela Autoridade Portuária e demais envolvidos. Considerada um momento histórico para a atividade portuária do complexo local, este tipo de manobra ganhou destaque inédito na América do Sul, e consequentemente todas as outras manobras foram realizadas com sucesso chegando nessa semana a sua centésima operação.

Sem data ainda para iniciar as obras da segunda etapa, quando concluída, poderá operar com navios de até 366 metros de comprimentos e 59 metros de boca (largura), podendo também receber embarcações de até 400 metros de comprimento por 65 metros de largura. Sua dimensão na área da bacia passará de 500 metros de diâmetro para um raio de 530 metros de distância. Estudos técnicos que serão realizados no decorrer da obra podem dar indicativos de que o canal de acesso (canal da Barra), que hoje possui 190 metros de distância entre os molhes norte e sul (lado de Itajaí), após a realocação do molhe norte (lado de Navegantes), tenha um alcance de até 210 metros de distância, e, ainda apresentar uma margem de profundidade passando hoje de 14 metros para 16.

O Superintendente do Porto de Itajaí, Engº Marcelo Werner Salles, destaca o quanto é importante economicamente para Itajaí e região, a implantação da Bacia de Evolução no complexo portuário local, mediante seu histórico da primeira etapa com suas obras iniciadas a oito anos atrás, e somente concluída em agosto de 2019, e, o cenário econômico caso não inicie a segunda etapa das obras:

“Precisamos estar sempre à frente no mercado portuário competitivo. Após entregue a primeira etapa das obras da Bacia em agosto de 2019, buscamos junto aos órgãos estaduais e ao Governo Federal, assim como nossos representantes do Fórum Parlamentar Catarinense, recursos financeiros para agilizar esta nova etapa, pois a não execução das obras, irá restringir as operações de movimentação e cargas de contêineres impactando negativamente no desenvolvimento econômico e social da região, inclusive inviabilizando comercialmente nosso Complexo portuário.  Empresas de Armadores já realizaram estudos econômicos junto ao Complexo Portuário local, e destacaram que em Itajaí, de cada contêiner que entra no complexo, é deixado em nossa atividade econômica, na nossa cidade de Itajaí e de Navegantes, a quantia de R$1.600,00. Se nós movimentarmos 100 mil contêineres, que nós já estamos movimentando, é uma injeção de recursos de 160 milhões por mês na nossa atividade, ou seja: quase três bilhões nas nossas cidades. Por isso que é extremamente importante mantermos a atualidade da infraestrutura do Porto de Itajaí para que possamos manter as nossas operações em ritmo crescente”, conclui Salles.

Share:

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos necessários estarão marcados com *