Notícias

Argentina celebra sucesso de reestruturação da dívida

A Argentina anunciou, nesta segunda-feira (31), o resultado da troca de títulos (swap) sob legislação estrangeira por cerca de 66 bilhões de dólares, um processo de quatro meses concluído na última sexta-feira com sucesso e que o governo considera um passo necessário para focar na recuperação econômica do país.

“Já estamos demonstrando como saímos do labirinto da dívida. Agora vamos sair do labirinto da economia debilitada que nos deixaram”, disse no sábado o presidente Alberto Fernández em entrevista ao canal de notícias C5N.

O resultado será anunciado pelo presidente e pelo ministro da Economia, Martín Guzmán, em um evento às 16h00 locais (16h00 em Brasília) no Museu Bicentenário, com a participação dos governadores.

Após o encerramento da operação na última sexta-feira, as autoridades se mostraram otimistas. “Temos expectativas muito altas em relação ao número de credores que entrem no swap”, adiantou Sergio Chodos, representante argentino no Fundo Monetário Internacional.

Segundo a imprensa argentina, a adesão poderia superar os 90%.

Este swap, que retirará a Argentina da situação de default, inclui os títulos emitidos nas reestruturações de 2005 e 2010, que requerem uma adesão de 85%, e outros títulos estabelecidos a partir de 2016, que precisam de 66% de aprovação.

Cinco títulos sujeitos à troca se encontram em default. A Argentina não cumpriu o cancelamento de juros de 500 milhões de dólares em maio e outros 600 milhões no início de agosto.

Nesta semana ocorre também o primeiro encerramento da troca de títulos sob legislação local, por cerca de 41,7 bilhões de dólares, nas mesmas condições da troca sob legislação estrangeira.

– FMI na mira –

Na quinta-feira, a Argentina lançou outra negociação crucial de sua dívida, um acordo de um novo programa de créditos com o Fundo Monetário Internacional, substituindo o assinado em 2018 por 57 bilhões de dólares, dos quais 44 bilhões foram desembolsados.A dívida pública argentina

Os vencimentos dos empréstimos do FMI começam em setembro de 2021. As reservas internacionais estão atualmente em 43 bilhões de dólares.

Terceira maior economia da América Latina e membro do G20, a Argentina havia cancelado em 2006 sua dívida com o FMI por 9,8 bilhões de dólares, evitando assim as visitas de revisão de suas contas por mais de uma década.

A dívida pública argentina totaliza 324 bilhões de dólares, cerca de 90% do PIB.

O presidente peronista de centro-esquerda pretende apresentar um pacote de 60 medidas, incluindo estímulos ao consumo, incentivos à produção de energia e às exportações, com o objetivo de reativar a economia em recessão desde 2018 e afetada pela pandemia da covid-19.

(Arquivo) O ministro da Economia da Argentina, Martín Guzman (D), abraça o presidente Alberto Fernández.

AFP/Arquivos / Juan MABROMATA

Share:

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos necessários estarão marcados com *