Preliminares

      Desde os primórdios da civilização, a humanidade na sua grande maioria tem uma certa tendência a observar uns aos outros. Seja por curiosidade, instinto ou prevenção. Antigamente existiam várias formas de observar os movimentos de pessoas ou animais, citando alguns exemplos, podemos destacar; as sentinelas, a guarda pretoriana e torres de vigia (atalaia). Todo esse aparato servia e ainda serve para que se possa manter de forma sistemática o acompanhamento de indivíduos ou ameaças que transitam próximo a edificações que no seu interior possua alguém ou algo de muito valor, prevenindo ou atuando como alarme para tomada de decisões e outros fatores concernentes a segurança.

Breve Histórico

     Com o surgimento da tecnologia e seu constante avanço, destacamos atualmente um aparato tecnológico muito importante e de grande versatilidade, a câmera de monitoramento e captura de imagens. De acordo com alguns históricos, a primeira câmera de segurança foi instalada no ano de 1965 na cidade Nova York para conter a onda de crimes naquela cidade.

Importância

      No cenário da Segurança eletrônica e  nos seus diversos segmentos, as câmeras têm encontrado seu espaço e atuado de forma eficiente para atender as necessidades nos locais onde estão instaladas. Num passado próximo, existia uma certa dificuldade para haver um monitoramento eficaz, porque as centrais de monitoramento ocupavam uma área muito grande, cada monitor só poderia acompanhar uma câmera e não existia monitoramento remoto. Com  surgimento dos equipamentos de gravações e a internet avançando cada vez mais, podemos dispor de uma gama de alternativas para obtermos resultados mais significativos com uso das câmeras.

Em ação

      Quando caminhamos pelas ruas de algumas cidades, podemos pensar que estamos alheios aos “olhos” eletrônicos. Essas maravilhas tecnológicas detectam de forma quase perfeita vários ângulos, tonalidades de cores, altura e as faces dos transeuntes. Alguns desses equipamentos já possuem inteligência artificial com processadores de última geração,   e são capazes do reconhecimento de pessoas e objetos para que os sistemas de segurança possam ter  proatividade diante das suas reações frente as ameaças.

Armazenamentos

Na década de 70 as fitas cassetes eram utilizadas para armazenagem das imagens capturadas pelas câmeras, parecia ser cômodo, todavia a quantidade de rolos desfavorecia uma busca mais dinâmica das imagens e causavam transtorno com o seu armazenamento. Nos dias de hoje, são utilizados DVRs, NVRs e HVRs para armazenamento de imagens nos utilíssimos CFTVs (Circuito Fechado ou interno de Televisão) que fazem parte de um sistema de segurança eletrônica, porém com a tecnologia IP (Protocolo de internet) das câmeras disponíveis no mercado, com esta tecnologia não se faz necessário ouso de uma central de monitoramento física devido ao fácil acesso através de smartphones, tablet e outros dispositivos móveis, trazendo muito dinamismo e praticidade e também podendo programar remotamente o uso dos dispositivos de captura de imagens.

Testemunhando fatos

Na atualidade, as câmeras de vigilância flagram situações que comumente os olhos não teriam esta capacidade. Quer seja na atuação das seguranças pública e privada, shopping centers, condomínios, bancos, joalherias, lojas de departamentos, no interior de veículos e viaturas, as câmeras, podem estar presentes no sentido objetivo de captar imagens em geral as quais, podem ser utilizadas para as mais diversas finalidades, ou seja, hoje estamos num big brother da vida real e a tendência é aumentar a utilização desses equipamentos.

Até semana que vem

       Na próxima matéria, iremos continuar com o assunto e abordaremos o assunto dentro do seu escopo técnico básico,  mostraremos os tipos de câmeras existentes, a tecnologia utilizada, ângulos, etc. Até semana que vem!

Por: Afonso Santos  – Gestor de Segurança Privada e Portuária – Militar da Marinha.

Share:

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos necessários estarão marcados com *