Pandemia

Europa já voltou a adotar lockdowns parciais com segunda onda da covid-19

Com o avanço da segunda onda do covid-19 na Europa, cerca de 12 regiões europeias já adotaram certas medidas restritivas para tentar frear o avanço da epidemia pelo continente. Entre eles, há países que escolheram formas mais brandas de um lockdown, enquanto outros apostam em toques de recolher mais descentralizados.

Alemanha

Na última segunda-feira (2), a Alemanha adotou oficialmente um lockdown parcial de um mês para tentar mitigar os efeitos da segunda onda da covid-19 no país.

Diferentemente do primeiro lockdown, que vigorou entre março e abril e paralisou a economia alemã como um todo, as medidas estão mais concentradas nos estabelecimentos de entretenimento desta vez.

Espaços de lazer e restaurantes estão fechados, eventos de entretenimento proibidos e festas devem ser restringidas. Reuniões externas só serão permitidas para, no máximo, membros de duas casas diferentes e, no máximo, 10 pessoas.

Angela Merkel, chanceler alemã, pediu que as pessoas evitem viagens pessoais e visitas a outras pessoas, incluindo membros da família. As medidas valem até o final do mês de novembro.

França

O presidente da França, Emmanuel Macron, decretou na última quarta-feira (28) um lockdown parcial em todo o território nacional.

Segundo o presidente, o novo bloqueio deve durar pelo menos até 1º de dezembro. Escolas continuarão abertas e funcionando, enquanto comércios não essenciais permanecerão fechados. Fronteiras com países da União Europeia seguirão abertas.

Estabelecimentos públicos, como restaurantes e bares, estão fechados. Macron disse que o trabalho poderá continuar, mas à distancia quando possível.

Reino Unido

No último sábado (31), o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciou as novas medidas de lockdown para o Reino Unido. Diferentemente da primeira onda da covid-19, as restrições são um pouco mais brandas desta vez.

Para conter o acelerado avanço da segunda onda de contaminações pelo novo coronavírus no país, as novas regras de confinamento passam a valer a partir da meia-noite da próxima quinta-feira (5) até dia 2 de dezembro.

O home office é altamente incentivado em todos os postos de trabalho que conseguirem manter suas operações à distância. A recomendação é sair de casa apenas para trabalho. Lojas de produtos essenciais, escolas e universidades seguirão abertas. Bares e restaurantes poderão funcionar apenas para entregas. Haverá variações regionais do lockdown, de acordo com a forma como o novo coronavírus se espalhar em cada local.

Também no último sábado, o Reino Unido se tornou o nono país a ultrapassar a marca de 1 milhão de casos de covid-19. A região tem o maior número de óbitos de toda a Europa, cerca de 46 mil.

Bélgica

O governo da Bélgica anunciou um novo lockdown no país na última sexta-feira (30). A medida foi anunciada pelo porta-voz do governo, que afirmou que os hospitais no país estão à beira de um colapso.

As novas medidas incluem um toque de recolher entre 22h e 6h, além do fechamento de todas as lojas às 20h. Academias, piscinas e outras instalações culturais e de lazer estão fechadas. As reuniões familiares podem ter até quatro pessoas. Eventos culturais ou de lazer não estão permitidos. As restrições vão até 19 de novembro, inicialmente.

Na semana passada, o país bateu recorde de infectado em um só dia: mais de 18 mil, quase 10 vezes o valor do pico da primeira onda da pandemia.

A Bélgica, que tem apenas 11 milhões de habitantes, tem a segunda maior taxa de infecção da Europa. Está atrás somente da República Tcheca, onde os novos casos de covid-19 dobram a cada 13 dias.

Itália

O governo italiano anunciou que as novas medidas restritivas do país devem durar até 24 de novembro. A Itália, um dos países mais afetados na primeira onda da doença na Europa, vai adotar um lockdown mais brando do que antes.

Ruas e praças serão fechadas às 21h. Bares e restaurantes só podem funcionar das 5h às 18h, incluindo domingos. Mesas devem ter até quatro pessoas. As academias, piscinas, centros de natação, centros de bem-estar e spas tiveram o funcionamento suspenso.

O governo ainda recomenda que as pessoas evitem utilizar os transportes públicos ou privados, exceto para trabalhar, estudar, por motivos de saúde e para assuntos urgentes.

República Tcheca

Os serviços, escolas e lojas que vendem artigos não essenciais estarão fechados até 3 de novembro. As pessoas não poderão sair de casa a menos que estejam indo para o trabalho, praticando exercícios, comprando alimentos ou remédios e procurando ajuda médica.

A República Tcheca estendeu o estado de emergência até 20 de novembro.

Áustria

Na Áustria, o governo decretou um toque de recolher para evitar que as pessoas permaneçam nas ruas entre às 20h e às 6h da manhã. Foi imposto também o fechamento de cafés, bares e restaurantes.

Os estabelecimentos só podem oferecer pedidos para a viagem. No entanto, fábricas, lojas, jardins de infância e escolas primárias permanecerão abertas, enquanto as escolas secundárias e universidades passarão para o ensino à distância.

As medidas entram em vigor no dia 3 de outubro e vão até o final de novembro.

Grécia

O governo da Grécia anunciou o fechamento de restaurantes, cafés, clubes, cinemas, museus e academias a partir desta terça-feira (3). Lojas que forneçam produtos essenciais e escolas continuarão abertas. As aulas na universidade serão ministradas remotamente, e metade da força de trabalho nos setores público e privado trabalhará em casa.

Além da capital, as restrições mais severas aplicam-se à maioria das grandes cidades do norte da Grécia. O resto do país terá de cumprir toque de recolher de 0 horas até 5h.

Portugal

A quarentena com permissão de sair de casa somente em casos de emergência volta a ser regra em 121 regiões, onde moram mais de 7,1 milhões portugueses, cerca de três quartos da população. A lista de cidades impactadas pela decisão será reconsiderada a cada 14 dias. O home office volta a ser obrigatório para aqueles trabalhos em que isso é possível.

Todos os estabelecimentos comerciais (exceto farmácias, consultórios, clínicas e funerárias) fecharão até as 22h. Os restaurantes não poderão ter mesas com mais de seis pessoas.

Espanha

Assim como na Áustria e na Grécia, a Espanha também adotou um toque de recolher entre às 23h e às 6h. Os líderes regionais da Espanha podem modificar os horários de início e término do toque de recolher em seu território em uma hora.

As medidas começaram no dia 25 de outubro e são válidas, inicialmente, por apenas 15 dias. Mas o primeiro-ministro Pedro Sánchez disse que pedirá ao parlamento que as prorrogue por seis meses, caso necessário.

Suíça

Desde a última quinta-feira (29), clubes e boates tiveram que fechar suas portas. Bares, restaurantes e cafés devem devem fechar às 23h e o máximo de clientes por mesa será de quatro pessoas.

Eventos públicos com mais de 50 pessoas estão proibidos, incluindo reuniões culturais e religiosas e jogos esportivos. As exceções incluem reuniões políticas organizadas.

Dinamarca

O governo da Dinamarca proibiu a venda de bebidas alcoólicas após as 22h para tentar manter as pessoas em casa. O número de pessoas autorizadas a participar das reuniões foi reduzido de 50 para 10.

Foi decretado também o uso obrigatório de máscaras em lugares públicos. O número de pessoas autorizadas a participar das reuniões foi reduzido de 50 para 10. As restrições devem durar até o dia 2 de janeiro de 2021 e o governo já informou que novas restrições podem acontecer a qualquer momento.

SWI

Share:

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos necessários estarão marcados com *