Itajaí

Informe Semasa: normalização da salinidade

O Semasa informa, nesta quarta-feira (4), que os índices de salinidade no ponto de captação de água, no canal retificado do Rio Itajaí-Mirim, já são considerados normais para os parâmetros de potabilidade. A autarquia está realizando análises da qualidade da água antes e depois da barragem, de hora em hora, e os números comprovam a eficiência da estrutura de contenção da cunha salina. Os gráficos estão disponíveis no site http://www.semasaitajai.com.br/?modo=qualidade_agua

A primeira análise satisfatória foi registrada na segunda-feira (2), em que a salinidade a montante (no ponto de captação de água) foi de 295 miligramas por litro de cloretos (sal) e a jusante (antes da barragem, por onde a maré chega) apresentou 5.875 mg/l de cloretos (sal), o que significou uma eficiência de contenção do sal de cerca de 94%.

O índice mínimo nessa semana chegou a 160 mg/l a montante (no ponto de captação), enquanto o índice de jusante estava em 7.650mg/l, representando uma eficiência de cerca de 98% na contenção do sal. A salinidade está sendo mantida em média, em torno de 250 mg/l na maior parte do dia, com poucas variações em razão da movimentação das comportas para permitir o trabalho de mergulhadores, que continuarão a reforçar os trabalhos executados até o momento.

A salinização da água foi causada por um desastre na barragem que permitiu a chegada da maré até o ponto de captação, no dia 13 de outubro. No mesmo dia, o Semasa iniciou os serviços de reconstrução da estrutura auxiliar de acesso à barragem e o fechamento do buraco identificado nas imediações das comportas. No dia 15 de outubro, a salinidade no ponto de captação chegou ao pico de 3.725 mg/l de cloretos (sal).

Conforme a diretoria de Saneamento do Semasa, os consumidores ainda poderão perceber sal na água por até dois dias, em virtude desta água já estar na rede, em reservatórios ou caixas d´água.

A equipe de engenheiros e mergulhadores continua trabalhando na barragem com a colocação de pranchas metálicas e sacos de areia com argamassa no fundo do rio, como forma de complementar os trabalhos até então realizados. 

Caminhões-pipa circularão pelos bairros nesta quinta-feira

Mesmo com a normalização dos parâmetros de potabilidade no ponto de captação de água, o Semasa vai manter, por mais alguns dias, os 45 pontos de distribuição de água pela cidade. A ação emergencial, mantida 24 horas por dia, garante o acesso da população à água potável para o consumo.

 Os pontos atualizados estão no site da autarquia. Hospitais, asilo, complexo prisional e outras instituições públicas são mantidas com caminhões-pipa.

Além disso, nesta quinta-feira (5), caminhões-pipa circularão pelos bairros para distribuir água para consumidores que tem dificuldade de locomoção até os pontos fixos. A retirada da água poderá ser feita com galões ou outros recipientes, sem limite por pessoa.

Suspensão da emissão de faturas

A partir do dia 16 de outubro, o Semasa suspendeu a emissão de faturas de água. Caso o consumidor tenha emitido a fatura pelo site ou totem de atendimento, ou mesmo recebido a fatura em casa, a partir desta data, deverá desconsiderar a cobrança.

Os novos prazos de vencimento e cálculo do desconto serão definidos após a conclusão dos trabalhos na barragem e a normalização dos índices de sal. Além disso, com o levantamento total do consumo de água desde o dia 13 de outubro, a Prefeitura Municipal encaminhará projeto de lei à Câmara de Vereadores para autorização do desconto dos dias em que foi feito fornecimento de água fora dos padrões de potabilidade. Para conceder isenções tarifárias públicas é obrigatório, por lei, ter autorização legislativa.

Ressarcimentos de peças danificadas pela salinidade

O atendimento do Semasa adotou novos procedimentos para agilizar o ressarcimento de danos causados pela salinidade. No caso de resistências de chuveiros, o cliente deve enviar foto da peça estragada, mostrando claramente o dano, ou trazê-la presencialmente, para que a equipe do Semasa registre as imagens. Também são necessárias fotos ou cópias da nota fiscal da compra da nova resistência, com número e data legíveis e dos documentos pessoais do consumidor, incluindo o número do CPF.

Nos casos de outros equipamentos comprometidos, como chuveiros, também é preciso trazer laudo técnico que indique que o dano ocorrido foi causado diretamente pela água salgada. O custo de elaboração do laudo pode ser incluído no cálculo da indenização.

Como regra geral, o ressarcimento é feito por meio de desconto na fatura de água.

Share:

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos necessários estarão marcados com *