Brasil

Promotoria denuncia Flávio Bolsonaro e Queiroz por organização criminosa: o que acontece agora?

Após dois anos de investigações, o Ministério Público do Rio de Janeiro concluiu a apuração e denunciou o senador Flávio Bolsonaro, filho mais velho do presidente da República, sob acusação dos crimes de organização criminosa, peculato, lavagem de dinheiro e apropriação indébita. Os crimes, segundo os promotores, foram cometidos ao longo de uma década, durante o mandato dele, na Assembleia Legislativa fluminense (Alerj).

A Promotoria também denunciou o então assessor de Flávio e amigo pessoal de Jair Bolsonaro, Fabrício Queiroz, e outras 15 pessoas sob acusação dos mesmos crimes. Os nomes delas não foram divulgados oficialmente porque o caso tramita sob sigilo.

Segundo os investigadores, Queiroz operou de 2007 a 2018 um esquema criminoso milionário no qual outros funcionários do gabinete devolviam parte do salário, tendo o filho do presidente como principal beneficiário.

Flávio Bolsonaro afirmou diversas vezes, desde que as suspeitas vieram à tona, que não cometeu nenhum crime. Segundo ele, há uma perseguição política em curso por meio de uma investigação ilegal que visa desestabilizar o governo de seu pai. Queiroz também nega qualquer irregularidade.

Foto: Reprodução/Instagram – Queiroz (à dir.) é ex-motorista e ex-segurança do hoje senador Flávio Bolsonaro.

*BBC

Share:

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos necessários estarão marcados com *