Internacional

Lojas pedem que consumidores não estoquem alimentos com novo lockdown no Reino Unido

Os supermercados e outros varejistas do Reino Unido estão tentando tranquilizar os consumidores de que não há necessidade de estocar produtos à medida que novas restrições entram em vigor.

Na segunda-feira (04/01), o primeiro-ministro, Boris Johnson, anunciou um novo lockdown no país, com o objetivo de frear uma nova onda de contágios pelo coronavírus.

A rede varejista Asda pediu a seus clientes que “continuem a comprar com prudência e não comprem mais do que normalmente precisam”.

Houve um aumento nas compras online de alimentos depois que novas restrições foram anunciadas na segunda-feira, mas a demanda desde então caiu.

As lojas disseram que têm boa disponibilidade e aumentaram sua capacidade para o delivery.

As redes Tesco e Sainsbury’s dobraram sua capacidade desde março.

Quando novas restrições do lockdown foram anunciadas na segunda-feira, houve uma corrida online dos consumidores para reservar horários de entrega.

Desde então, essa corrida diminuiu. Na quarta-feira, os grandes supermercados avisaram os clientes de que não há necessidade de comprar a granel, já que as lojas gostariam de evitar a corrida desenfreada que ocorreu no início da pandemia.

A Asda afirmou que “atualmente tem uma grande disponibilidade de produtos em suas lojas e depósitos e seus funcionários estão trabalhando sem parar para manter as prateleiras abastecidas.”

A Sainsbury’s disse que tem “boa disponibilidade e incentiva os clientes a fazerem compras normalmente. No momento, não estamos restringindo os produtos”.

Já a Tesco teve limites de compra para vários produtos desde o primeiro lockdown e, mais recentemente, itens limitados, incluindo ovos, arroz, sabonete e papel higiênico. Isso ocorreu por causa de atrasos no frete em dezembro, quando os portos ficaram congestionados.

A empresa disse na quarta-feira que tinha “boa disponibilidade nas lojas físicas e online, com bastante estoque disponível, e encorajamos nossos clientes a comprar normalmente”.

Durante o primeiro lockdown, os supermercados viram um grande aumento na demanda por compras online, pois as pessoas tentavam evitar misturar-se nas lojas.

Todas as grandes redes aumentaram sua capacidade de entrega de alimentos.

A Tesco, maior rede de supermercados do Reino Unido, mais que dobrou sua capacidade de realizar entregas desde o início da crise e agora pode realizar 1,5 milhão por semana.

Nem todos eles são usados ​​no Reino Unido no momento, então a Tesco não tem planos no momento para aumentar a oferta de delivery.

A Sainsbury’s, a segunda maior, também mais que dobrou sua capacidade de entrega desde março e pode atender a mais de 800 mil pedidos por semana.

Já a Asda, a terceira maior rede, aumentou o número de pedidos disponíveis por semana em 90% desde março, chegando 850 mil, mas planeja aumentar sua capacidade.

A Morrison’s, a quarta maior rede de supermercados do Reino Unido, disse que aumentou suas operações online cinco vezes desde março.

Medidas contra o coronavírus

A Asda disse na quarta-feira que também está dobrando o tamanho de sua parceria com o aplicativo de entregas Uber Eats. A partir de fevereiro, a Asda oferecerá um serviço de entrega de 30 minutos em 200 lojas.

A empresa também está intensificando as medidas de segurança contra a covid-19, incluindo mais estações sanitárias, aumento da limpeza e “adicionar um revestimento antimicrobiano de proteção aos ‘pontos de contato’ do cliente em lojas, como alças de geladeira, freezer e cestos, além de áreas de pagamento.”

A rede também tem um aplicativo de enfileiramento virtual chamado “Quidini”, por meio do qual os clientes podem sentar em seus carros e esperar por uma vaga em uma loja se ela estiver ocupada.

BBC News

Share:

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos necessários estarão marcados com *