Tesouro Direto ainda vale a pena?

Tesouro Direto ainda vale a pena?

O Tesouro Direto é um investimento que ganhou bastante popularidade entre os investidores, principalmente aqueles que estão dando os primeiros passos nos investimentos, seja pela facilidade de acesso a informação, o advento de vários canais de finanças e mesmo pelas altas taxas de juros obtidas a poucos anos atrás.

Contudo, devido aos contínuos cortes nas taxas de juros tem sido cada vez mais comum se perguntar se ainda vale a pena investir nesse tipo de título.

E a resposta é sim. Independente do cenário de juros, os títulos públicos serão sempre aqueles que oferecem a maior segurança entre os produtos de renda fixa ou renda variável.

Quando o objetivo é a montagem da reserva de emergência, por exemplo, é difícil escolher outro investimento com as mesmas características que renda a uma taxa mensal muito superior as opções do Tesouro Direto.

Já quando se olha para os títulos de médio e longo prazo a questão pode mudar um pouco.Para aqueles que de forma alguma abrem mão da segurança, os títulos públicos devem sempre ser a primeira opção, mas quem se dispõe a diversificar sua carteira vale a pena olhar com cuidado outros ativos de crédito privado, por exemplo.

Por último, os títulos vinculados ao IPCA, famosos por serem adequados para aposentadoria, já que protege parcialmente o investidor da inflação. Este ainda mantém sua atratividade, apesar de oferecer taxas bem abaixo do que pagavam nos últimos anos, são difíceis de serem batidos até mesmo pelas debêntures, já que o risco é muito maior e o prêmio de risco muitas vezes não supera a taxas prometidas, principalmente nos títulos públicos mais longos.

Em resumo, enquanto os títulos públicos forem uma opção de investimento, estes sempre terão espaço na carteira do investidor, independente de seu nível de conhecimento ou patrimônio, seja pelo nível de segurança ou mesmo pela liquidez oferecida.

orlando.werner@outlook.com/todomundorico.wordpress.com

CATEGORIA
Compartilhar com

Comentário

Disqus ( )