CPI do Rio Mathias: ex-funcionários da Águas de Joinville não dão as respostas esperadas

Os vereadores da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Rio Mathias ouviram na manhã desta quarta-feira (7) ex-funcionários da Companhia Águas de Joinville que tiveram cargos de relevância no período das obras de macrodrenagem do rio: Luana Siewert Pretto (2ª na foto), que ocupou os cargos de diretora técnica, entre 2017 e 2018, e de presidente, entre 2018 e 2020, Jalmei Duarte (1º na foto), que ocupou o cargo de presidente entre 2015 e 2018, Clarissa Santos (4ª na foto), que foi gerente de projetos entre 2014 e 2018, e Michel Bitencourt (3º na foto), que foi gerente de obras, entre 2014 e 2016, e gerente de manutenção, entre 2016 e 2018.

O presidente da CPI, vereador Willian Tonezi (Patriota), perguntou a todos os convocados de quem foi a decisão de aproveitar as obras do Rio Mathias para fazer a expansão da rede de água e esgoto da companhia, mas nenhum dos ex-dirigentes e coordenadores soube precisar. Jalmei Duarte chegou a falar que pode ter sido uma decisão da área técnica, mas quando pressionado a dar uma resposta, afirmou que pode ter sido ele, mas que não se recorda. “Eram muitas obras na época, não me lembro com detalhes de todas”, afirmou.

Clarissa dos Santos afirmou que a ordem partiu de cargos superiores ao dela na hierarquia da companhia, mas não soube informar com certeza um nome, citando a possibilidade de ter sido o ex-diretor técnico Dieter Nermann. Inclusive, ele é um dos convocados para depor na próxima reunião da CPI, marcada para segunda-feira (12), às 9h.

Michel Bitencourt, por sua vez, mostrou-se indignado com Jalmei Duarte por não saber quem tomou a decisão. “Nunca um presidente pode dizer que uma decisão é do corpo técnico”, advertiu. Outro ponto explorado nas oitivas desta quarta-feira foram danos à rede causados durante a execução da obra. Na visão de Michel Bitencourt, houve descuido da empreiteira nas obras do Rio Mathias com a rede da CAJ.

De acordo com Luana Pretto, houve rompimentos causados pela empresa, que geraram vazamentos de água e esgoto. Quando isso acontecia, o fornecimento de água à população era interrompido para os devidos reparos. Segundo os relatos de Luana e demais convocados da reunião, a CAJ enviou sucessivos ofícios à empresa em busca do ressarcimento financeiro das manutenções.

A CPI aprovou, ao final da reunião, a solicitação à CAJ desses ofícios. A CPI vai enviar, ainda, ofício à CAJ pedindo as atas das reuniões do Conselho Administrativo do período de 2013 a 2020.

Além de Dieter Neermann, o engenheiro Cesar Meyer, o ex-presidente Roberto Luiz Carneiro, e o então gerente de obras Thiago Amorim, além de todos os ex-presidentes do Conselho Administrativo da Águas de Joinville do período entre 2014 e 2020 devem ser ouvidos pela CPI na próxima reunião.

Edição: Felipe Faria

Sair da versão mobile